Da Diocese

Diocese de Campo Maior emite carta aberta em favor da democracia

Neste sábado, dia 27 de outubro, véspera do segundo turno das eleições 2018, a Diocese de Campo Maior divulga uma carta aberta em defesa do sistema democrático e de suas instituições. A carta assinada pelo bispo diocesano, Dom Francisco de Assis, discute pontos, como: polarização das eleições, embate de ideias, fake news, questões sociais e econômicas, diálogo com países próximos e políticas públicas que reduzam a carga tributária.

Leia a Carta na íntegra:

photogrid_1500220490535

CARTA ABERTA PELA DEMOCRACIA

Dom Francisco de Assis Gabriel, CSsR

Bispo de Campo Maior PI

 “Devemos implicar-nos na política, porque a política é uma das formas mais elevadas da caridade, visto que procura o bem comum”, Papa Francisco.

Tempos difíceis. Grande polarização com reações cheias de ódios, agressões e intolerância. Após a retomada da democracia, não houve pleito eleitoral com essas características. O segundo turno das eleições presidenciais mostra um país novamente dividido e isso exige da Autoridade a ser eleita mais habilidade para o diálogo dentro da pluralidade cultural das sociedades contemporâneas.

Democracia é o campo político do divergente, do contraditório. Ferir o regime democrático é querer uma hegemonia, um pensamento único e com isso, tratar o adversário ideológico como inimigo a ser combatido inclusive pela repressão. Atitudes assim são totalitárias. Nossa jovem democracia conta trinta anos desde a promulgação da Carta Magna, Constituição Cidadã de 1988, foi colocada em crise. As instituições democráticas não estão em pleno e sadio funcionamento, como dito.

O cidadão-eleitor brasileiro deve ir às urnas e registrar seu voto com inteira liberdade. A lei eleitoral garante um tempo para o embate das ideias, apresentação de projetos de governo e possibilidade para os eleitores analisarem os candidatos quando confrontados. Aquele que governa, o faz sob pressão, há que ter o equilíbrio necessário e a grandeza de caráter para lidar com o contraditório. Para o eleitor é importante avaliar essa habilidade naqueles que almejam cargos majoritários dentro do regime democrático. Desta eleição, o cidadão- eleitor sai confuso, pela ausência de debates no campo das ideias; pois, pela primeira vez vemos campanha eleitoral que preferiu a utilização dos recursos das redes sociais aos meios tradicionais, como rádio e televisão.  As “fake News”, como em outros países, fizeram a diferença e contribuíram para maior despolitização e crescente revanchismo.

Vá às urnas, neste dia 28 de outubro. Votar é um exercício de cidadania e acompanhar o pós-eleição é a outra face da mesma moeda.

“Na missão de pastores e profetas, nós, bispos católicos, ao assumirmos posicionamentos pastorais em questões sociais, econômicas e políticas, o fazemos, não por ideologia, mas por exigência do Evangelho que nos manda amar e servir a todos, preferencialmente aos pobres. Por isso, “a Igreja reivindica sempre a liberdade, a que tem direito, para pronunciar o seu juízo moral acerca das realidades sociais, sempre que os direitos fundamentais da pessoa, o bem comum ou a salvação humana o exigirem (cf. Gaudium et Spes, 76). Não podemos nos calar quando a vida é ameaçada, os direitos desrespeitados, a justiça corrompida e a violência instaurada” Nota da CNBB, 24 de Outubro de 2018.

Vote pela defesa da vida, da concepção ao seu declínio natural.

Vote pela defesa da vida e diga não às formas brutais de violência geradas na intolerância.

Vote pelo diálogo com a pluralidade cultural, fazendo valer a liberdade de expressão, sem abrir mão desse direito dentro do contraditório.

Vote pela defesa de políticas públicas, bem como por políticas que favoreçam à distribuição de renda e coloquem alimento na mesa dos mais pobres. “Quem tem fome tem pressa”.

Vote pela defesa das cotas “raciais” nas universidades; no nosso país a concorrência cria uma multidão sem oportunidade.

Vote pela liberdade religiosa e pela possibilidade de continuar a exigir dos poderes públicos o respeito à doutrina cristã. Neste ponto não nos esquivemos: a defesa da fé cristã e da sua doutrina é a missão da própria Igreja. Pura ingenuidade acreditar que os partidos políticos vão erguer essas bandeiras. Na política qualquer resultado acontece pela pressão e, diga-se, democrática.

Vote pelo diálogo com os países da América Latina e Caribe, a começar. Porém numa sociedade globalizada o mercado brasileiro não prospera sem convenções com os grandes mercados europeus e dos EUA.

Vote pela liberdade de expressão na sociedade plural. Mais uma vez lhe digo nesta pluralidade cultural, é a Igreja que deve ocupar seu lugar no mundo e num projeto de evangelização formar os leigos e leigas, “sal da terra e luz do mundo “, para a vivência testemunhal da fé como discípulos missionários de Jesus Cristo na construção do Reino de Deus, “vida plena para todos”.

Vote pela defesa dos investimentos em políticas públicas e pelo descongelamento desses gastos.  Os mais pobres nunca devem pagar pelo desastre da corrupção. Vote por carga tributária mais baixa para os de menor poder aquisitivo, tendo como referência a renda.

Vote pela defesa da democracia.

Vote e resgatemos o equilíbrio e a unidade nacional. Vote pela defesa das instituições democráticas e pela normalidade democrática entre os poderes.

Bom voto. Viva a democracia.

 

            +Francisco de Assis Gabriel Santos, CSsR

            “Alegres na Esperança” (Rm 12,12)

            Bispo diocesano de Campo Maior, Piauí. Brasil. 

            27 de Outubro de 2018

Adicionar Comentário

Clique aqui para deixar um comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fans que Curtem

Social Media