Da Diocese

Determinações da Diocese de Campo Maior para a Semana Santa 2020

brasao-selo-dom-francisco

Dom Francisco de Assis Gabriel dos Santos, CSsR

Por mercê de Deus e da Santa Sé Apostólica

Bispo de Campo Maior

Aos que este Decreto virem, paz e benção no Senhor Jesus Cristo!

 

D E C R E T O

 

Considerando o respeito às leis de vigilância sanitária em níveis federais e estaduais de prevenção à transmissão da COVID-19;

Considerando a celebração da Semana Santa com o Tríduo Pascal e o Domingo da Páscoa do Senhor;

Considerando o Decreto da Sagrada Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos (Em tempo de Covid-19) e das Orientações pastorais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil acerca das Celebrações da Semana Santa 2020;

Considerando o parecer do Conselho Presbiteral reunido extraordinariamente hoje;

Fazemos saber a todos os diocesanos o que determinamos, e cumpra-se:

  1. Nas igrejas paroquiais, todas as celebrações devem ser realizadas integralmente, com todas as leituras;
  2. As celebrações serão realizadas com a igreja fechada e transmitidas pelas redes sociais;
  3. Organizar a Celebração, para que necessite do mínimo possível de pessoas reunidas, como determinam o decreto diocesano e estadual: Presidente da Celebração; 4 ou 5 pessoas para leituras e canto, dois ministros, no máximo;
  4. Estão dispensados, somente para este tempo: incenso, cruz processional e velas;
  5. Domingo de Ramos da Paixão do Senhor:
    1. A benção e procissão de Ramos aconteçam dentro da Igreja. Pode-se iniciar de dois modos, conforme orientação do Missal Romano na página 229;
    2. A Missa é a da Paixão do Senhor, segundo o Missal p. 230;
    3. Recomende-se aos fiéis que tenham nas mãos ramos para serem abençoados pelo Presidente, mesmo que pelas redes sociais;
    4. Sugerimos que sejam marcadas as portas com esses ramos abençoados, para que expressem o desejo de seguir o Messias na Sua paixão, morte e ressurreição;
  6. Quinta-feira Santa (Missa da Ceia do Senhor)
    1. Faça-se tudo como prescrito no Missal Romano, exceto o Rito do lava-pés, que deve ser suprimido;
    2. Seja rezada a Oração eucarística I, com as partes próprias para este dia, segundo o Missal nas pp. 250-251;
    3. Após a Oração pós-comunhão, recomendamos que seja feita uma adoração ao Santíssimo no próprio altar da celebração com transmissão pelas redes sociais; em seguida, faz-se o translado simples para o sacrário, como de costume;
  7. Sexta-feira Santa (Paixão do Senhor):
    1. Recomenda-se rezar pela manhã os Mistérios Dolorosos ou a Via-Sacra com transmissão pelas redes sociais, (se possível também as Laudes);
    2. Na Celebração da Paixão do Senhor, sobre a Adoração da Cruz, seja omitido o beijo da cruz, e feita apenas genuflexão diante da cruz;
    3. Seja acrescentado na Oração Universal, uma intenção pela pandemia da COVID-19. Essa intenção deve ser incluída antes da décima, tornando-se, deste modo, a penúltima, pois a última rezará “Por todos os que sofrem provações”:
  1. Pelos que padecem a pandemia do Covid-19.

Oremos ao Deus da vida, salvação do seu povo, para que sejam consolados os que sofrem com a doença e a morte, provocadas pela pandemia do novo coronavírus; fortalecidos os que heroicamente têm cuidado dos enfermos; e inspirados os que se dedicam à pesquisa de uma vacina eficaz.

Reza-se em silêncio. Depois o sacerdote diz:

Ó Deus, nosso refúgio nas dificuldades, força na fraqueza e consolo nas lágrimas, compadecei-vos do vosso povo que padece sob a pandemia, para que encontre finalmente alívio na vossa misericórdia. Por Cristo, nosso Senhor. R. Amém.

  1. Todo o mais, como no Missal;
  1. Sábado Santo (Solene Vigília Pascal):
    1. Entra-se da sacristia para o presbitério de modo simples;
    2. No presbitério, numa credência, estará o Círio Pascal com os cravos numa bandeja. Após acender o Círio em silêncio e abençoado o Círio, coloca-se no pedestal e canta-se o Exultet. Portanto, não haverá a benção do fogo (fogueira);
    3. Os fiéis da Paróquia e cidade, sejam estimulados a ascenderem velas nas portas e janelas de suas casas, no horário que inicia a Vigília na Igreja. Cuidem os pastores de almas, avisarem antecipadamente os fiéis;
    4. Na Liturgia da Palavra, segue-se o Missal; recordamos que se evite muitas pessoas na celebração, daí sugerimos a possibilidade dos leitores alternarem entre si, as leituras e os salmos. Há também possibilidade de serem suprimidas algumas leituras, conforme indicação do Missal;
    5. Para a Liturgia Batismal, permanece mantida apenas a renovação das promessas batismais, antes se faça apenas a benção da água, sem aspersão;
    6. A Liturgia Eucarística, segue como no Missal.
  2. Recomendamos aos padres, que tem seminaristas em suas paróquias, que os mesmos sejam integrados na equipe de celebração.
  3. Ficam assim, transferidas as coletas:
    1. Coleta para os lugares santos: 14 e 15 de setembro, Exaltação da Santa Cruz;
    2. Coleta da Campanha da Fraternidade: 16 e 17 de novembro, Dia mundial dos pobres;
  4. A Missa do Crisma, será celebrada no dia 4 de agosto, São João Maria Vianney.

Dado e passado na Cúria Diocesana de Campo Maior, no dia primeiro do mês de abril do ano de dois mil e vinte sob Nosso Sinal e selo de Nossa Chancelaria.

 

Francisco de Assis Gabriel dos Santos, CSsR

Bispo de Campo Maior

Pe. Alcindo Saraiva Martins

Chanceler da Cúria Diocesana

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para deixar um comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fans que Curtem

Social Media